Conhecimento e Educação

Ferro ligas no Brasil

ferro ligas

O Brasil possui um papel importante na produção de ferro ligas, principalmente quando nos referimos as ligas especiais. Nosso país é exportador de alguns tipo de ligas especiais.

Quando falamos de ligas especiais, nos referimos ao grupo ferro ligas: ferro nióbio, ferro silício magnésio, ferro silício zircônio, ferro molibdênio, ferro vanádio, ferro titânio, ferro tungstênio, além de outras ligas especiais.

Este grupo de ferro ligas são representados da seguinte forma:

  • ferro nióbio (FeNb);
  • ferro silício magnésio (FeSiMg);
  • ferro silício zircônio (FeSiZr);
  • ferro molibdênio (FeMo);
  • ferro vanádio (FeV);
  • ferro titânio (FeTi);
  • ferro tungstênio (FeW).

O Brasil produz dentro do grupo ferro ligas o ferro silício magnésio, sendo que o estado de Minas gerais é o único produtor de ferro silício magnésio do país.

O estado de Minas Gerais é responsável por 50% da produção nacional de ferro ligas no Brasil.

Porém, o Brasil não possui uma participação representativa quando falamos do ferro ligas vanádio, titânio, molibdênio e tungstênio. Quem mais produz esses elementos é a China.

A Russia também participa do mercado de ferro ligas apresentando a segunda maior reserva de tungstênio e vanádio e como produtor deste dois produtos. Já a segunda maior reserva de molibdênio fica nos Estados Unidos e a segunda maior reserva de titânio está localizada na Austrália. Respectivamente os países são considerados os maiores produtores dos produtos encontrados em suas reversas.A China possui as maiores reservas de vanádio, titânio, molibdênio e tungstênio e ainda é a maior produtora de concentrado e minérios das substancias de ferro ligas citadas a cima.

 

Apesar dos países acima obterem a segunda maior produção de titânio, tungstênio e vanádio, o Brasil apresenta algumas reserva na Bahia, sendo de vanádio e no Rio Grande do Norte a produção de tungstênio. E ainda existem registro de pequenas produções de titânio em Pernambuco, Paraíba, na região central em Goiás e na Sudeste do país, no Rio de Janeiro.

Inflação Brasileira no fim do século XX – Onde pecava nossa política econômica?

Explicar os pecados e os erros de administração política e econômica em terras tupiniquins, nos remete a imaginar o contexto histórico ao qual o Brasil foi colonizado, por uma matriz portuguesa mercantilista que via na exploração da nova terra, uma fonte de riqueza para a coroa. Como já dizia Pero Vaz de Caminha, com intenções de exploração as nossas terras: “aqui tudo o que se planta dá.”

Aqui vivemos diversos ciclos, o açúcar, o ouro, o café, a borracha, serviram para enriquecer a Europa e dar as considerações iniciais ao subdesenvolvimento da América Latina, o neoliberalismo começava aí, dando aos latifundiários o subsídio em forma de escravos expatriados de sua pátria-mãe, para que estes explorassem para os europeus, o que dos brasileiros era de direito. Mas onde ficava nossa soberania? Com os portugueses, pois ainda éramos uma colônia, como se morássemos de favor em nossa própria casa, mantinham nossas riquezas sob custódia por sinal.

Depois de certo tempo, o Brasil que muito fora explorado, dar-se-ia bater de frente com a utopia de ser uma potência econômica, sustentando esta idéia através das ligações do Barão de Mauá, Irineu Evangelista de Souza com os ingleses, era então Mauá como o primeiro dos neoliberais no Brasil. Até que houve a intervenção do estado e este durando até pouco tempo.

Então, talvez fosse do excesso da participação do estado em nossa economia que se enfrentou grave recessão e períodos de turbulência economia e hiperinflação no final do século XX, quando governos pós-militares seguiram os rumos da ortodoxia e quando não ficavam reféns das grandes potências.

A abertura econômica era arriscada, mas de certo faria algum bem, quando propunha o fisiocrata Adam Smith a menos intervenção do estado na economia e quando ainda uma propostas do Consenso de Washington (1989), era a drástica redução do Estado, diluindo o que se tinha como nação, era o neoliberalismo surgindo nos pilares da globalização.

Abrir os portões econômicos significaria talvez um aquecimento na economia, trazendo de fora novos recursos, uma vez que este era um fomento a produção interna também, na tentativa de redução de preços e na concepção de novas tecnologias fazendo o mercado interno produzir mais. “Assim, a solução residiria em formas neoliberais apresentados como propostas modernizadoras, contra o anacronismo de nossas estruturas econômicas e políticas.” (Batista, 1994, 7)

Sendo que foi isso que aconteceu, o conceito de nação soberana havia ficado arcaico e o que mais se prezava agora eram as relações econômicas auto-regeláveis do mercado neoliberal. Um exemplo dessa relação de dependência entre as nações, foi a fixação do valor corrente da moeda real com base no valor vigente ao qual corria o dólar americana naquele período.

A História Como uma Barreira para a Integração Social

Um país que ante ao seu descobrimento começou a ser explorado. No contexto em que os portugueses brancos de pouca influência em meio a corte do seu país de origem, gritam “Terra à vista!” e invadem terras tupiniquins ainda virgens povoados por índios nativos.

Para a construção de um império vislumbrado pela corte portuguesa, negros africanos, antes homens livres em seu país de origem, chegam àquela que tinha sido Ilha de Vera Cruz, Terra de Santa Cruz, mas que agora era o Brasil, ou para tais, um inferno, no qual eles contrairiam a fortuna e o ócio dos senhores do Engenho. Brancos, tais latifundiários não imaginavam que ao deitarem com escravas negras, estavam criando uma nova raça, os mulatos, porém seriam esses filhos de escravos libertos ou mestiços escravizados? O fato é que estavam no paraíso, pois negros, já não eram mais. Sim, este era o cenário de uma terra formada por 15 capitanias hereditárias, segundo André João Antonil via-se naquela época que o Brasil era “o inferno dos negros, purgatório dos brancos e paraíso dos mulatos e mulatos”.

Os índios, no início maioria, já não tinham tanta representatividade assim, os únicos originalmente brasileiros, viam-se agora como uma parte apenas dos explorados. Depois de 388 anos de exploração e de alguns ventres e raros sexagenários libertos. A Princesa Isabel de Bragança, dava o verdadeiro ouro para os negros escravizados, estava no dia 13 de maio de 1888 abolida a escravidão no Brasil.

Mas o que mudou desde o crepúsculo do século XIX até a aurora do século XXI? A resposta é notável. Claro, a escravidão e a exploração de índios e negros, como minorias sociais, não se dão de maneiras tão explicitas, porém seus descendentes parecem terem sido engolidos pela civilização e pelo progresso trazidos logo de início pelo Trem de ferro. De Gálvez a Chico Mendes a Amazônia, berço maior de povo indígena foi sucumbida pelo líquido da seringueira. A República do Café com Leite enfraquecido pela crise de 1929 teve seu fim em 1930 e na Bahia, não mais de todos os santos, onde os brancos encontraram um Porto Seguro a maioria negra sempre foi minoria na ocupação de cargos importantes.

Mas onde quero chegar depois desta aula de história do Brasil? Quero, aportar no presente e olhar à nossa volta, deparamos com um Brasil que nunca teve um presidente assumidamente negro ou índio[1], a um estado sempre governado por brancos da elite, a uma sociedade capitalista de significativa representação branca, que explora as minorias. Nesta ótica, quantos problemas aparecem, lembra agora da pergunta? O que de fato mudou então? Mas mudou, mudou pouco, as melhorias ainda são pouco significativas diante do contexto histórico. Mas como mudar de fato? A resposta é tão simples, a educação é o único caminho para tal. Surgem daí perguntas diferentes mas como os mesmos ideais. Como pode-se fazer inserção de representantes da minorias, negros e índios, nas universidades de maior qualidade, já que esse, em razão da exploração histórica ainda estão em condições desfavoráveis no presente? Buscar nas políticas de ações afirmativas para representantes destas minorias inserirem-se na universidade seria um alento para tal.

Sendo assim, contextualizarmos a história, afim de democratizar as diretrizes do presente, faz-se necessário em tempos de mudanças Tempos quem a sociedade do conhecimento sucumbiu a ignorância, mas que no entanto insiste em vedar os olhares para um projeto de justiça e equidade social, pelo qual mostra-se urgente e a solução mais lógica para que erros do passado, não impliquem, mais ainda, em uma sociedade etnocêntrica e desigual no futuro, já que o presente se faz comprometido.

           

Autor: Robson Ramos


[1] Nilo Peçanha, apesar de ter sido Presidente da República por pouco mais de um ano, não se assumia negro devido ao fato de ter sofrido com o preconceito pela cor da sua pele.

Como montar um sebo sem ter R$ 20 mil

Para quem é apaixonado por livros como eu, alguma vez na vida já pensou ser proprietário ou trabalhar em um Sebo, loja que vende livros, revistas e quadrinhos usados por valores bem mais em conta do que  Megastores como Fnac, Livraria Saraiva e Cultura por exemplo. Trabalhar com o que você ama, não é um trabalho, é um hobby. Mas como entrar nesse ramo? Primeiro vamos entender melhor o mercado.

Comprar e vender livros usados é dar vida à preciosos objetos de acesso ao conhecimento e ao prazer de aprender coisas novas. Digo dar vida, porque muitas vezes os volumes geralmente estão parados em cima de algum guarda-roupa, pegando pó e deteriorando, ou em um quarto de cacarecos, com varas de pescar, brinquedos e outros objetos que ninguém mais quer usar na residência. Em muitos casos, os filhos já se casaram e deixaram para trás uma gama enorme de livros da adolescência e da faculdade, e eles ficam ali, inertes, com seu potencial desperdiçado e incomodando os donos da casa, que pensam em um novo uso para aquele espaço ocupado. O Sebo também é uma prática que faz bem para o meio ambiente, pois se você compra um livro usado, está deixando de comprar um novo, e economizando recursos da natureza.

O Sebo geralmente compra grandes volumes de livros por preços lá embaixo, para poder repassar ao leitor preços baixos também (você encontra bons títulos à R$ 5, R$ 10 e R$ 20) sem deixar de ter uma margem de lucro. Tendo eu uma grande vivência como frequentador e consumidor desde pequeno, há um tempo pesquiso sobre como montar um sebo. Eis que me deparo algumas vezes com a informação de que além das instalações de infraestrutura (imóvel, estantes, telefone, etc) é necessário comprar um acervo básico de outro Sebo que está sendo vendido, um negócio que está sendo repassado, para você poder começar o seu e depois ir agregando mais volumes na sua loja. Com cerca de R$ 15 mil à R$ 20 mil no Brasil é possível comprar um acervo de Sebo, segundo informações colhidas com proprietários de pequenos Sebos em São Paulo e em Campinas, interior do Estado. Garimpando em classificados na internet com a palavra-chave “vende-se sebo” encontrei valores similares em outras regiões do país. Claro que há diversos fatores que podem puxar o preço para mais ou para menos, como qualidade, estado dos volumes, diversificação, títulos com mais procura, quantidade, se está incluso as estantes e por aí vai.

A proposta deste artigo é apresentar uma ideia alternativa para quem não tem R$ 20 mil reais para comprar um acervo-base e iniciar nesse maravilhoso negócio. A alternativa criativa é oferecer um serviço de limpeza de livros, revistas e afins porta à porta. Faça flyers, cartazes, anuncie em rádio, internet e se possível contrate anúncios em carros de som em sua cidade, em cidades vizinhas ou até mesmo em cidades remotas do interior do seu estado onde não tem nenhum sebo. Muitos pessoas doam à bibliotecas, mas não tem tempo de levar para a doação, ou não tem carro. Muitos apenas querem o espaço liberado e não veem o valor que você vê nos livros velhos e empoeirados, portanto se você se dispor a retirar, estará fazendo um favor. Use um slogan atraente para sua campanha, como: você tem livros velhos ocupando espaço na sua casa? Faça uma doação! Nós retiramos para você sem custo nenhum, algo do tipo… Gaste pouquíssimo com essa propaganda, e tenho certeza que muitos ficarão agradecidos de você fazer essa limpeza em suas casas. E aí, em pouco tempo, você terá seu acervo-base para começar a trabalhar.

Em minha infância uma vez um Senhor estava na Biblioteca de minha cidade em Barueri tentando doar uns livros, mas não conseguiu por um motivo bobo, alguma burocracia, alguém não podia retirar naquele dia, algo assim. Meu pai ouviu a conversa e se interessou pela doação dele. Fomos em sua casa retirar dezenas de bons livros que me ajudaram muito em meus estudos ao longo dos anos. O Senhor ficou agradecido de poder limpar o espaço em sua casa, já que seus filhos não moravam mais lá e não tinha utilidade nenhuma para ele. Esse episódio trouxe inspiração para essa ideia alternativa, voltada aos amantes de Livros. É possível sim você montar seu Sebo, saindo por aí garimpando seu próprio acervo, não importando se tem R$ 20 mil ou não.

Divirta-se, bom garimpo! Envie um e-mail para eutenhoumaideia@gmail.com quando você montar seu sebo, ficarei feliz em saber que o ajudei em uma pequena parte de seu projeto.

Windows Xp Reiniciando

Quem já não passou por este problema? Vou compartilhar com meus colegas internautas esta informação. Trabalho com informática desde o ano 2000, lidando com computadores e seus respectivos usuários. Descobri uma coisa muita interessante um dia…Que aquele velho errinho de o windows reiniciar quando vai carregar a tela de logon, tem cura!  Não precisará nem formatar seu computador, é através de um simples comando. o Famoso CHKDSK, ou checkdisk do windows. Consegui recuperar em 95% dos casos, os arquivos danificados que faziam o micro reiniciar.

1º Passo

Seja por mal uso, ou tempo de uso, devido a versões inúmeras que existem na internet seu windows xp pode apresentar certos defeitos. Geralmente no windows 7, já está incluso o sistema de auto recuperação para estes casos, Mas como nosso assunto é o XP, então vamos nessa, Neste passo vou lhe ensinar o que fazer primeiramente ao se deparar com seu computador nesta situação ou de seu cliente.

Ao ligar o micro, fique pressionando a tecla F8 do seu teclado para abrir o leque das opções dos modos que você poderá carregar o sistema. Existem casos, que nesta tela você ainda consegue usar o comando. Escolha a opção inicializar o sistema em modo de segurança com prompt de comando – o famoso DOS.

Feito isso, irá carregar seu usuário automaticamente, caso você utiliza senha, ele irá solicita-la para você. Nesta tela do NÉO, você é o escolhido para executar o comando. Geralmente a tela é seguida do local onde está instalado o sistema operacional, normalmente

C:\Documents and Settings e tal… o Bom é que você pode executar o comando em qualquer diretório, sem necessitar de mais comandos extras. Nesta tela então digita o seguinte: CHKDSK c: /f /r,  em míudos seria

CHKDSK diretório de instalação do windows, /f (para corrigir os erros de disco) / r (localizar setores com defeito)

ele provavelmente irá lhe perguntar se quer fazer isso na próxima vez que o sistema for iniciado, escolha a sim e digite para reiniciar

shutdown -r -t 10 (este comando faz com que o windows reinicie automaticamente numa contagem de 10 segundos)

ou digite explorer, e aguarde carregar a tela da área de trabalho, e vá pelo menu iniciar e coloca para reiniciar o pc

bom, caso ao selecionar a opção para o micro reiniciar em modo de segurança não der certo, ou seja, antes de carregar a tela

ele mesmo assim reinicia siga as instruções do passo 2

Passo 2

Não se preocupe, ainda há chance de fugir da formatação. Bom, se não conseguimos fazer ele entrar em modo de segurança

então o que podemos fazer, seria um pouco mais complicado e exigiria um pouco mais de você e seus conhecimentos

Ligar o hd em outro pc e carregar normal o usuário padrão do computador que usa, entao ao iniciar do sistema operacional

será mostrada uma mensagem de que um novo dispositivo foi encontrado e está sendo instalado.

então podemos fazer o seguinte, clique em: iniciar > meu computador

veja qual o nome da unidade recem instalada, certifique-se de ser a unidade que está com defeito. Então pressione as teclas

logotipo do windows + r, para abrir o executar e digite cmd

ou iniciar executar cmd.

e faça o mesmo procedimento que fizemos no passo um, lembrando que agora provavelmente o nome da unidade será outro.

este processo tem 5 etapas, sendo a última a mais demorada, cerca de 15 a 25 min…Então após terminado o processo, desligue seu computador , retire o hd e coloque novamente no computador de onde ele estava no principio.

Caso necessite de mais detalhes, posso lhe ajudar com prazer

envie um email para minha pessoa, e estarei respondendo o mais breve possível ou envie seu comentário

Espero que isso seja de grande valia a todos.

LIBRAS: A segunda língua oficial brasileira

Há algum tempo atrás, usei esse mesmo espaço para falar sobre a importância de aprender uma segunda língua, especialmente uma estrangeira como a inglesa. Porem recentemente por meio do meu curso de graduação, tive um reencontro com a LIBRAS: Língua Brasileira de Sinais e pude conhecer mais profundamente sobre a sua verdadeira natureza e importância.
Meu primeiro contato com a Libras ocorreu ainda no ensino médio, durante um evento onde foi apresentada a música aquarela que foi totalmente interpretada em Libras. Foi paixão a primeira vista, mas na época não tive nenhum outro tipo de informação sobre ela e na verdade nem poderia imaginar sua dimensão e complexidade.
Pensando sobre o que tenho aprendido sobre esse assunto, resolvi escrever esse artigo para desmistificar alguns conceitos sobre a Libras, para as pessoas que assim como eu não entendiam a verdadeira importância dela.
O primeiro ponto a se esclarecer é que a Libras não é mímica, nem é apenas gesto, nem é uma língua inferior. Muito pelo contrário: A Libras é por lei, a segunda língua oficial brasileira e de acordo com a FENEIS (Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos) é a língua materna do surdo brasileiro, podendo ser aprendida por qualquer um que se dispor a isso. Assim como qualquer outra língua ela possui uma estrutura gramatical, regras de utilização, sintática e muitos outros elementos. Por exemplo, a representação escrita dos sinais da Libras é feita sempre com letras maiúsculas e ela não possui marca de gênero, para isso usa-se o sinal @ (ex. tia e tia = ti@).
Muitas pessoas veem as línguas de sinais como mímica, isso ocorre provavelmente pela associação de alguns sinais com a sua forma. Mas é importante lembrar que não necessariamente um sinal vai parecer com o seu significado, muito pelo contrário o número de sinais em que ocorre essa semelhança é reduzido, tal como na língua portuguesa onde as palavras não têm relação direta e nem mesmo lembram o seu significado (com exceção das onomatopéias). Portanto, as línguas de sinais não são icônicas.
Outra ideia que muitas pessoas costumam fazer sobre a Libras é que ela é universal e que todos os surdos do mundo são capazes de se entender através dela. Não, ao contrário do Braille que foi criada como forma de leitura e escrita para as pessoas cegas e é universal, a Libras é natural e é especifica do Brasil. Cada país tem sua própria língua de sinas: ASL (American Sign Language) nos Estados Unidos, JSL (Japanese Sign Language) no Japão, LGP (Língua Gestual Portuguesa) em Portugal.
A Libras é uma identidade surda, uma forma de inclusão social para aqueles que nasceram ou ao longo da vida ficaram surdos. Agora vejo que conhecer e aprender a Libras é tão importante quanto aprender inglês ou outros idiomas. Leiam, se informem, aprendam, pois nós nunca vamos saber quando precisaremos nos comunicar com uma pessoa surda e acreditem… existe poucas coisas que são tão ruins quanto precisarmos nos comunicar com alguém e não conseguirmos por uma limitação e ignorância nossa.
Então é só isso, vamos deixar de lado nossos preconceitos e medos e tratar os surdos como pessoas iguais a qualquer outra, que têm capacidade e necessidade de se comunicar.. enfim, vamos aprender LIBRAS pessoal..vocês verão como é fascinante!!

Por que mais e mais pessoas fazem cursos Online? Quais vantagens?

Fazer um curso online certamente é uma comodidade a mais no mundo moderno. Uma pessoa nasce, cresce em seu meio social já tendo que se preparar através da tradicional escola, com todas as suas etapas. Ali convive num meio interessante, onde tem a oportunidade de  se relacionar com a comunidade num mundo onde aprende a viver em grupo. Pessoas iguais, de mesma faixa etária e mesmo porte de conhecimento estão juntos numa sala.

Futuramente todas elas terão seu próprio rumo, suas experiências culturais e terão um espaço no mercado de trabalho. As exigências da vida impulsionam as pessoas na procura do conhecimento, seja este técnico, ou de nível superior. Toda profissão exige seu conhecimento técnico, nem que seja mais na prática do que outros.

Assim, aparecem várias oportunidades de cursos profissionalizantes, rebuscadamente preparados para treinar o indivíduo, capacitando-o para um mercado competitivo. Seja na área de concursos públicos, seja na área do mercado tradicional (indústria, comércio e serviços), seja para qualquer mercado.

Cada dia que passa, os cursos Online têm seu valor nessa preparação, na medida em que a Internet vai se democratizando mais e mais, entrando em todas as camadas da sociedade, em todos os níveis sociais, nas Lan Houses, nas residências, no trabalho, ou em qualquer lugar para onde se pode levar um notebook, tablet, Iphone, ou qualquer aparelho que acesse a rede mundial de computadores.

Nas férias, viajando, se pode fazer um curso. Do básico ao mais avançado, se estuda línguas, leem-se livros, etc.

No mundo de hoje, com problemas sociais concentrados nos meios urbanos, como trânsito agitado e violência, cursos Online são muito bem vindos, mesmo não tirando a importância dos cursos presenciais.

E as opções são muitas, desde os gratuitos até os cursos com valor simbólico ou mesmo mais caros, e tais cursos vão aumentando à medida em que a demanda por mais opções for crescendo e os recursos tecnológicos como vídeo, contato direto com professores para tirar dúvidas e outras interações vão se desenvolvendo.

Seja como for, fica neste artigo uma análise das tendências e vantagens desta nova modalidade de ensino, a que acontece à distância.

 

Abraço e sucesso a todos,

Rhoger Lopez